Matando o Valente – por Debora Gimenes

Melissa tinha dez anos e sonhava com seu príncipe encantado. Havia ouvido falar em um gentil cavalheiro que morava muito longe. Resolveu então fugir de casa e ir procurar esse tal Valente.

Poucas horas se passaram até que o pai de Melissa descobrisse que ela havia fugido. Ele era um fazendeiro muito rico e sabendo da paixão da menina pelo suposto cavalheiro resolveu mandar busca-lo.

Os jagunços passaram horas, dias, meses procurando o tal cavalheiro, mas não o encontraram. 10 anos se passaram e o feitor da fazenda parou em uma mercearia de beira de estrada e começou a conversar com o dono do lugar;

_ O “sinhô” já ouviu “fala” num tal de Valente.

_ Sim “sinhô”. Esse homi é cheio de mimos e todo mundo “que” mata-lo.

_ Ah é? E onde posso encontrar essa frozinha?

_ Ele saiu daqui “faz tempo naum”. Tá di pé. Si o sinhô curre pega ele logo, logo.

_ Brigadu.

O tal jagunço saiu em disparada no seu pangaré. O tal bicho correu tanto que ficou com a língua de fora e o jagunço pegou o tal valente.

_ Olha qui seu mariquinhas. Meu patraum que fala cum cê. entaum eu vou amarra ocê atrás do meu pangaré e a gente vai até lá.

E foram para a fazenda. O pangaré corria enquanto o valente corria atrás. Durante a volta a fazenda o cavalo teve um desajuste intestinal e despejou seus “excrementos fecais” no Valente. Levaram 2 dias para chegar na fazenda, dois dias sem parar o pangaré e o valente estavam exausto, o segundo sujo pela várias Cag*** que o pangaré deu em cima dele.

O senhor da fazenda chegou e disse:

_ Onde está minha filha?

_ que filha senhor eu não sei de nenhuma filha.

O senhor deu uma chicotada no Valente e perguntou:

_ Cadê minha filha?

Valente não disse nada dessa vez, o senhor chamou seus jagunços e disse:

_ Levem-no para o curral. Tenho um plano para ele.

Valente foi arrastado para o curral. Cansado pela caminhada ele não resistiu e deixou-se levar.

Lá chegando tiram a roupa dele. pegaram um tornel de melaço e deram-lhe um banho. Ao sinal do senhor, soltaram os bois e vacas, os animais começaram a lamber o Valente. Como a língua do bicho era áspera. Valente começou a gritar ao sentir sua pele sendo arranhado por cada lambida. Esse homem berrava enquanto seu couro era arrancado pelo animal.

Horas depois uma moça chegou na fazenda com um belo rapaz americano. E foi falar com o fazendeiro.

_ Papai lembra-se de mim, sou Melissa.

_ Melissa minha filha. Você voltou para mim. E quem é esse aí.

_ Esse é meu namorado papai. Ele é americano. O nome dele é David Finn, ele é um super herói em Los Angeles e veio pedir-me em casamento para o senhor.

Os três entraram conversando como se Valente não estivesse lá. Esse por sua vez olhou para o trio e resmungou algo como “… Red Batman…”, enquanto respirava seus últimos minutos de vida.

Fim

Nota: Os bovinos tem uma língua que parece lixa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: