Arquivo de abril, 2009

O homem que queria ser rei

Posted in Contos on domingo | 26 | abril | 2009 by Cavaleiro Valente

cavaleiro valente desenhado por anderson siqueira

cavaleiro valente desenhado por anderson siqueira

 

O homem que queria ser Rei
por Adriano Siqueira
siqueira.adriano@gmail.com

O Cavaleiro Valente estava caminhando com seu cavalo Branco pela floresta e encontra uma cabana.

-      Branco! Vamos ver se tem alguém lá para tomar um copo d'água!
-      Branco balança a cabeça em sinal de protesto.
-      Ah!... Deixa disso Branco é só uma cabaninha inofensiva.
Valente e Branco entram na cabana que estava aberta. Havia apenas uma mesa com um computador ligado.
-      Olha branco. Um artefato mágico. E tem a foto de uma mulher com vestido vitoriano.Para que serve isso?
Valente usa o mouse e clica na foto e aparece outra.

Veja Branco ela esta chorando! Uma donzela em perigo!
Branco balança a cabeça novamente e tenta puxar o Valente.
-      Olha Branco ela está no castelo, na masmorra e está sofrendo... Temos que salvá-la. Mas onde será? Valente clica
novamente e aparece uma logomarca. BEM-VINDO AO MUNDO VAMPYR.
Então é lá que ela está? Vamos Branco! Temos uma missão!
Valente olha para a tela novamente e vê uma palavra em destaque. – internet –
-      Branco? O que é internet?

Branco levanta suas patas dianteiras e tenta destruir o computador
relincha desesperado.

-      Para com isso Branco! Deixa eu pensar... Inter – dentro - net... Rede... Dentro da Rede... Oh!! É uma armadilha!!!!

Quando branco consegue destruir o computador. Uma rede cai sobre ele prendendo o cavalo. O Valente Fica Desesperado.

-      Branco!!! Branco!!!

Valente diz para o Branco que vai procurar ajuda e corre para a floresta.

Depois de correr uns 500 metros Valente encontra um homem com barba e de cabelos cumpridos e escuro e sorrindo levanta os braços e diz:

-      Olá meu amigo! Estava mesmo procurando você!
-      Eu? Quem é você?
-      Todo mundo me conhece! EU SOU  DEUS NOITE!!!
-      Não... eu não conheço você!
-      Talvez seja a entonação da voz... Preste atenção... Agora com um pouco mais de grave na voz.
-      EU SOU O DEUS NOITEEEEEE!!!
E Eu sou o Valente e meu cavalo esta preso naquela cabanaaaaa!!!
-      Ah... entendi! Você está em choque por isso não me reconheceu... Tudo bem! Eu entendo! Não é todo mundo que encara normalmente uma divindade!
Valente olha sem entender nada e diz:
Meu cavalo esta preso. Preciso de ajuda para tirá-lo da rede.
-      Rede? - Deus Noite diz!  - Você acessou o MUNDO VAMPYR?
-      Bem!... Acho que sim.
      -     Meu amigo... Seu cavalo esta em apuros. Aquela cabana tem um alarme e logo os guardas aparecem por lá, levam seu cavalo para trabalhar no portão do castelo. É bem cruel. Eles o amarram e usam para puxar as portas! O problema é que os cavalos não resistem muito. Construí para elefantes.

-      Você construiu? 
-      Eu... Sim claro! Eu era o dono. SOU DEUS NOITE DONO DO MUNDO VAMPYR!!!

-      Porque está aqui na floresta?

-      Fui expulso! Meu povo se rebelou contra mim. E eu não sei direito do por quê mas, sei que um dia voltarei para aquele castelo e meu reino estará novamente em minhas mãos. E eu não fiz nada de mais. Estava tudo certo existiam muitos bares e ruas com meu nome.
Eles cantavam um hino toda a noite para mim.

Deus Noite começa a cantar e dançar em ritmo de Ópera!

"Quando anoitEEce ele aparece
Seu mAAAnto divino aquece
Seu nOOOme, ninguém esquece.

Deus NOOOOite é eterno!

É REEEEi por ser Noite
É DEEEEus por ser Rei!"

Valente também canta e dança, mas em ritmo RAP.

É verdAde meu brother!
Também fAlo dos meus feitos
Não sapatÊio nas baladas
Sou um "reservAdo" por Meu direito.

As mulhEres que conheci
Se fOram sem me conhecer!

Pega LEve mano brother!
Sou VaLEnte Cavaleiro!
Grande gaaaarOto da alegria.
Minha espAda é meu semblante e me garante.
Todo o meu peito arrepia
em cada aventura,  em cada briga!

Sou guerreiro celibAto
Sou um Valente danAdo!

-      huahuahuhauhuahuhauhuahuhuhau!!!!
-      Que foi Deus Noite?
-      Você é virgem, EUNUCO!!! Huahuahuhauhauhauha!!!
-      Eu não sou Eunuco!
-      Olha Valente, para mim dá no mesmo! Bom! Temos que elaborar
um plano para pegar o meu reino de volta e tirar o seu cavalo deste
apuro. Seeeeeee você for beeeem legal e me ajudar, eu vou te dar
algo que vai ser útil para tooooda a sua vida!!!
-     
-      O que é?
-     
-      UMA CAMISA DO MUNDO VAMPYR!!!

-      Ebaaaaa! Cadê? Me dá agora!!!

-      Oras... É sua! É só pegar lá no Mundo Vampyr!!!

-      Ah! Então está bem! Vou pelo Branco.

-      Mas leve as estacas!

-      O que?

-      Sim Valente! No mundo Vampyr só existem... Vampiros!

Valente engole seco quando Deus Noite mostra seus caninos
pontiagudos e diz:

-      Vampiros de novo? Eu odeio Vampiros...

Continua...

A fada e o Cavaleiro – por Adriano Siqueira

Posted in Contos on domingo | 26 | abril | 2009 by Cavaleiro Valente

fadaeocavaleiro1

A Fada e o Cavaleiro
Por Adriano Siqueira

Cavaleiro Valente caminha em passos lentos sempre com a sua espada em guarda para desbravar esta nova floresta desconhecida.
Seus ouvidos atentos escuta os passos de alguém que estava caminhando bem perto.
Ele espera o momento certo e finalmente ataca. Mas ele acerta apenas o tronco de uma arvore.
Ele escuta risos vindo de cima da arvore. Ele vê a silhueta de uma mulher iluminada pela lua.
– Quem está ai! – ele pergunta com a espada em punho.
– Sou eu seu bobo.
– Thorn?! Fada Thorn?
Valente larga a espada e com a ajuda de suas asas Thorn desce da árvore lentamente até chegar aos braços do valente. Ele a segura, ela retira seu elmo e lhe dá um beijo.
– Não acredito que esta aqui! Só pode ser um sonho. Se for… Não quero acordar jamais.
– Estou aqui mesmo meu cavaleiro. Em seus braços.
– Thorn você precisa sair daqui! Meu mundo é perigoso e cheio de surpresas alem disso o autor é um louco. Seu único desejo é me matar.
Thorn coloca o dedo nos lábios de Valente e ele fica calado. Os olhos do cavaleiro se impressionam com a beleza daquela fada e por alguns segundos admira o seu sorriso. E então eles se beijam por um longo tempo.
Valente aproveita cada segundo. Ele ainda não poderia acreditar que a mulher que ele amava estava ali mesmo na sua frente e em seu mundo. Ele não pensava por quanto tempo ela ficaria ali. O que importava mesmo era aqueles pequenos segundos em que seus lábios tocavam a boca de Thorn. Mas ele estava preocupado. Solta os seus lábios por alguns instantes, segura o ombro de Thorn e diz:
– Você não entende Thorn. Sou um bom cavaleiro. Sou um bom guerreiro. Minha espada já cortou a cabeça de inúmeros inimigos. Mas o amor… Eu não tenho muita experiência com mulheres. Posso decepcioná-la seriamente.
– Eu não me importo…
– Você não entendeu direito deixe-me ser mais claro… Eu não sou o tipo de cavaleiro que procura tabernas para se divertir com as mulheres profissionais. Eu não faço sempre. Tive poucas… Só as que amei realmente.
– Isso só é motivo para eu te amar mais.
Os olhos do Valente ficam mais brilhantes. Ele respira fundo.
– Este sentimento que estou experimentando agora é magnífico. Não me lembro de sentir isso antes. Será o amor? Será que um cavaleiro como eu pode realmente sentir este… Milagre?
– Você faz muitas perguntas. Porque não passeamos um pouco.
– As mãos… – Valente diz bem baixo. – Seria meus sentimentos? Thorn… Eu já senti suas mãos antes?
– É a primeira vez que nos tocamos meu cavaleiro. Não poderia senti-las antes.
– São tão macias…
Valente pega algumas flores e entrega para Thorn. Ela sorri e as cheira por alguns momentos.
– Beije-me Valente. Deixe-me sentir seus beijos misturados com o cheiro das flores.
Valente toca novamente em seus doces lábios.
A fada Thorn pega novamente as mãos do Valente e o leva para uma cabana. Dentro da cabana havia muito feno e algumas folhas secas. Ela faz o Valente ficar deitado. Ele tenta dizer algo mas ela o silencia com o dedo novamente em sua boca.
– Não meu cavaleiro. Apenas relaxe e me assista.
– Espere Thorn! Por favor. Deixe-me beijá-la novamente. Quero tocar em seus cabelos e sentir a sua pele bem perto de mim.
Thorn sorri e atende seu desejo.
Aos poucos ela ajuda Valente a tirar a armadura e ele fica apenas com as poucas roupas de baixo. Eles se deitam e aos poucos ela toca levemente a pele de Valente.
Ele chega a tremer e se fecha com alguns movimentos da fada. Ela sorri e diz:
Calma… relaxe apenas. Não precisa tremer. Eu estou aqui para proteger você… Só fique calmo e relaxado.
Valente observa os movimentos da fada em seu corpo. Algumas vezes ele tremia, mas a fada sempre o beijava até ele relaxar novamente e logo continuava a acariciá-lo.
Quanto mais os toques da fada ficavam cada vez mais ousados, Valente respirava fundo e olhava atentamente os movimentos da fada até que ela coloca a mão nos olhos de Valente. Ele relaxa finalmente. Deixa as mãos da fada passear pelo seu corpo. Ele sorri. É um sorriso gostoso como se tivesse tomando banho em um lago.
Eles ficam horas juntas. Valente sente prazeres que nunca sentiu antes e que jamais pensou existir. Quando toda aquela onda de prazer termina. A fada encosta-se ao peito de Valente e fica passando a mão levemente no seu corpo até adormecer.
Valente se levanta calmamente vai para fora da cabana senta no chão e chora silencioso. Ele não sabe explicar exatamente porque esta chorando. Mas não consegue se conter. Ele agradece silenciosamente aquele dia. Agradece os sentimentos e o amor que ele experimentou.
Olha para o céu e vê um mundo que ele jamais conhecia. Jamais imaginaria que existia. Ele se sente mais vivo do que nunca. Volta para dentro da cabana para agradecer a sua amada por aquele dia tão especial. Mas ele não encontra a fada. Ele grita seu nome por um bom tempo até que ele se ajoelha e vê um pouco de cabelo amarrado. Ele cheira por um tempo e guarda com ele pois este presente representara eternamente seu encontro com aquela fada à única mulher que ele realmente amou e que jamais esquecerá.

Informações adicionais: A fada Thorn é uma personagem criada pela Camila Bernardini do blog www.escuridaonoturna.blogspot.com para a história “Os guardiões de Kiara”